Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2014

Kerouac, budismo, perspectivas

Quanto mais procurei me informar acerca do budismo, mais dúvidas foram surgindo, porque é, de fato, um trabalho árduo abandonar o pensamento ocidental para adentrar e compreender as filosofias orientais. Parece inviável praticar algo que vai tão de encontro com toda uma formação assediante de exaltação das sensações, incitação às conquistas materiais, oscilação entre prazer e desprazer; uma formação baseada no acúmulo de informações, exigência de pensamento crítico, posições rígidas e de opiniões formadas - justamente o inverso de "ver as coisas como elas realmente são". 

Uma espiã na casa do amor - Anaïs Nin

Imagine um livro que você pensou ter escolhido ao acaso.

Eu estava na Festa do Livro da USP, edição 2013, e, como de costume, fui fazer compras na tenda da L&PM como quem compra cacarecos numa loja de R$ 1,99 só pelo preço, sem saber se vai realmente usar um dia.

(Mas é claro que pretendo ler todos meus livros um dia... Inclusive, os da L&PM acabam sendo sempre os primeiros na fila.)

Então estava lá, já havia pego Nietzsche, Kerouac, Schopenhauer... E vi Anaïs Nin. Havia um único título da autora disponível na editora. Eu já tinha ouvido falar, acho que nunca dei muita bola... Mais de uma pessoa já havia dito que talvez eu gostasse, mas, sabe?, tinha tanta coisa pra ler antes...

E porque achei que dessa vez a L&PM estava fraca de livros, acabei pegando Uma espiã na casa do amor. VAI QUE.